Tour du Mont Blanc - Paulo Miranda

TOUR DU MONT-BLANC França-Itália-Suíça setembro.2015

Tour du Mont Blanc - Paulo Miranda

TOUR DU MONT-BLANC França-Itália-Suíça set.2015

Tré-le-Champ » Lac Blanc

10º dia: 11/09/2015

O 10º dia de caminhada seria um verdadeiro passeio: umas três horas e meia de caminhada até o Lac Blanc em companhia de um casal canadense super simpático que conheci no jantar do dia anterior. Seria quase um dia de folga. Até a chuva foi uma agradável companheira. O trecho entre Tré-le-Champ e o Lac Blanc é bem tranquilo, nada exigente e com a visão completa de toda a face francesa do maciço do Monte Branco: do Col de Balme na extrema esquerda ao Monte Branco na extrema direita, passando pela Aiguille Verte e Les Drus, Grandes Jorasses, todas as geleiras que desembocam no vale de Chamonix etc etc e etc. Mesmo com a chuva era possível admirar esse panorama impressionante. Pra completar, esse é o trecho da TMB famoso pelos corrimões e escadas metálicos.

Com uma hora e vinte minutos de caminhada, chegamos à Aiguillette d'Argentière, um conjunto de rochas utilizadas para treinamento de escalada, que, naquele dia nublado, mais pareciam gigantes saídos das histórias fantásticas de Tolkien. E é nesse ponto que começam as escadas. Mas, como descrito por Kev Reynolds em seu guia Tour du Mont-Blanc, "embora bem íngreme e aparentemente sem fim, essa série de escadas e corrimões é bem seguro"(1). Realmente, não há mistério nem perigo; pelo contrário, é bem divertido.

Vencidas as escadas e alguns zigue-zagues, chegamos em Tête aux Vents (2.132 metros). Indicado por um enorme tóten, três trilhas convergem a este ponto: a própria TMB, a que se dirige ao Lac Blanc e a que vem do Col des Montets(2). Nesse momento a chuva já tinha cessado e o tempo ameaçava abrir. Continuando o caminho, passamos pelos Lacs des Chéserys, por mais um lance de escada, e depois de uns vai-e-vens, chegamos ao Refúgio Lac Blanc às 12:47. Sentamos à mesa do lado externo pra lanchar e jogar fora as últimas conversas pois o casal canadense continuaria até o Refúgio la Flégère, mais uma hora e meia de caminhada.

Eu tinha a tarde inteira pela frente e, por isso, fui perambular em torno do refúgio e dos lagos. E que lugar! E que vista! O Lac Blanc se encontra numa espécie de balcão pendurado sobre o Vallée de l'Arve, o vale onde se encontra a cidade de Chamonix, com todo o maciço do Monte Branco como um cenário à sua frente. É um privilégio dormir ali.

O jantar, ao contrário do anterior, não teve nada de especial, exceto o local em si, bem aconchegante. Em meio aos ruídos das conversas cruzadas, uma francesa ao meu lado, que visita Chamonix desde criança, comentou sobre a redução drástica, quase a olhos vistos, dos glaciares da região nos últimos 30 anos.

Estatísticas (GPS)

local hora km
Tré-le-Champ 9:02
4,6

Tête aux Vents 11:28
Refúgio Lac Blanc 12:47
  1. "Although abruptly steep and seemingly endless, this whole series of aids should be perfectly safe" (Tour du Mont Blanc, Kev Reynolds, A Cicerone Guide, 2007, pág. 119).
  2. A opção para se evitar as escadas é caminhar, a partir de Trè-le-Champ, uns 400 metros em direção ao Col de Montets e virar à esquerda na trilha assinalada como GRP Tour du Pays du Mont-Blanc.

Copyright © Paulo Miranda - 2016/2017