Tour du Mont Blanc - Paulo Miranda

TOUR DU MONT-BLANC França-Itália-Suíça setembro.2015

Tour du Mont Blanc - Paulo Miranda

TOUR DU MONT-BLANC França-Itália-Suíça set.2015

Les Houches » Refúgio Nant-Borrant

1º dia: 02/09/2015

Em torno das 8 horas da manhã do dia 2 de setembro, após um café recheado de pão, queijo e geleia no Hotel Beau Site, no centro da cidade de Les Houches (pronuncia-se lesôche), dou os primeiros passos de uma caminhada de 12 dias pela Tour du Mont Blanc (TMB). Com poucas nuvens sobre a cidade, minha preocupação era com o Col de Tricot pois a previsão do tempo no Centro de Turismo indicava tempestades acima dos 2.000 metros de altitude. O caminho por esse colo, localizado a 2.120 metros de altitude é, na realidade, uma variante da TMB que, a partir do Col de Voza passa por aquele colo em direção aos refúgios Miage e Truc, antes de descer para cidade de Contamines-Montjoie. O caminho oficial, por outro lado, desce, a partir do Col de Voza, em direção à vila montanhosa de Bionnassay(1) para, depois de cruzar algumas outras tantas vilas, já no Vale Montjoie, chegar na cidade de Contamines-Montjoie. Este caminho, ao contrário da variante, é bem monótono pois, em sua maior parte, percorre-se estradas de terra em meio a bosques fechados, ruas asfaltadas e curtas trilhas em meio a fazendas e casas.

Ligado o GPS, pego a rua principal da cidade em direção à estação de telefèrico Bellevue, uma caminhada de pouco mais de um quilômetro, depois do qual, em frente ao Hotel Slalon, a TMB dobra à esquerda e sobe a encosta em direção ao colo, alternando entre trilhas e estradas asfaltadas e de terra. Ao chegar ao insosso Col de Voza (1.653 metros), constato que toda a área da variante pelo Col de Tricot se encontrava embrulhada em grossas nuvens, exatamente como a previsão do tempo indicava. Algumas pessoas seguiam em direção à variante mas decidi ir pelo caminho oficial pois não estava a fim de gastar energia pra chegar a 2.120 metros de altitude (Col de Tricot) pra não ver nada além de branco. E ainda correr o risco de me encontrar em meio a uma tempestade.

A primeira vila, a menos de uma hora de caminhada do Col de Voza, é a simpática Bionnassay, pendurada nas altas encostas do vale homônimo. Em seguida, vem a vila de Champel, de onde se tem a primeira visão do Vale Montjoie, um dos principais vales em torno do Monte Branco. Na sequência, vêm as vilas de La Villette, La Gruvaz e Tresse, essa última já no fundo do vale, às margens do rio Bon Nant. Após cruzar o rio e subir uma pequena encosta, cheguei à vila de Ouy, onde tive a grata surpresa de passar pela casa em que nasceu Alexis Bouvard (1767-1843), o astrônomo que previu a existência do planeta Netuno devido às perturbações na órbita de Urano.

Depois de mais algumas trilhas e estradas, cheguei em Contamines-Montjoie em torno das 15:30, muito cedo para encerrar o dia. Decidi, portanto, dormir no Refúgio Nant-Borrant, mais uma hora e meia de caminhada, conforme o guia Tour du Mont Blanc. Mas antes de seguir em frente, tirei um tempo na cidade para descansar e comer o presunto cru e o queijo gruyère que tinha comprado em Les Houches. Pra acompanhá-los, entrei num mercado e comprei suco e pão. Ao sair, em frente ao mercado, encontro um cara, com quem cruzei na trilha, a tomar um cerveja. "Uma cerveja!, como não pensei nisso?"

Eram quase 5 da tarde quando parti em direção ao refúgio. O caminho até a capela Notre-Dame de la Gorge, uns 50 minutos de Contamines, é mais do mesmo: uma estrada plana de terra. A partir da capela, a TMB segue por uma íngreme estrada que margeia a profunda garganta do rio Bon Nant. Essa estrada, com o leito formado de grandes lages de pedras, foi feita pelos romanos, tendo sido uma importante ligação entre o Império e a antiga Gália (atual França). Um pouco depois de atravessar uma ponte romana (Pont de la Tená), cheguei ao refúgio às 18:55, totalizando quase 23 quilômetros de caminhada. Nada mal para o primeiro dia!

Já neste primeiro refúgio, aprendi como funcionavam todos os outros. Tem horário pra tudo: banho após às 17 horas, jantar às 19 e café da manhã às 7. E lugar marcado na mesa. Após o farto jantar, na companhia de uma belga e um casal dos EUA, substituo a sobremesa pela tão ansiada e merecida cerveja, uma caneca de 500 ml. Saúde!!

Estatísticas (GPS)

local hora km
Les Houches 8:44 17,1
Contamines 15:40/16:56 *
Ponte romana 18:43 5,7
Ref. Nant-Borrant 18:58

* chegada/partida

  1. A partir de 1784, essa cidade foi o ponto de partida de muitas das expedições para a conquista do Monte Branco.

Copyright © Paulo Miranda - 2016/2017